A adaptação progressiva!

Consultamos mais uma vez com um otorrino muito bem conceituado da região sul para pesquisar mais a fundo sobre essa minha “hiperacusia”, tendo em seu consultório este bendito audiômetro! Ele chamou então três técnicos representantes experientes de diferentes marcas de aparelhos auditivos, oferecendo-nos alguns modelos do mercado, de acordo com a minha tamanha surdez, mas seguindo o histórico da minha sensibilidade auditiva, no qual um deles me apaixonei, e na realidade o volume deles estavam bem baixinhos, e no lado direito estava ainda mais baixo, foi regulado assim para evitar aqueles sofridos sintomas da sensibilidade..

.
Ao longo dos primeiros meses, utilizei-os com moldes feitos somente no conduto (desta maneira também evita a pressão sonora), conforme a figura abaixo:

3d_printed_hearing_aids_-_rose_clear_large

Com o passar dos meses fui aumentando o tamanho do molde, até preencher toda a cavidade auditiva…Isto levou em média de um ano e meio, um lento trabalho de “desensibilização”, e trouxe um resultado maravilhoso e hoje estou muito bem adaptada e me acostumei com sons mais alto! Mas o lado direito continua um pouco mais baixo que o esquerdo, equilibrou significativamente o volume em ambos lados!! maravilha não??!!

Leitor, se você é pai ou mãe de uma criança com deficiência auditiva, é tão importante observar se ele tem sensibilidade auditiva, muitas vezes até tendem a tirar os AASI, jogam no lixo, no vaso sanitário, na rua, no chão e ou também escondem. Por favor não o pressionem a usar, isso só vai fazer com que ele desista cada vez mais, lembre-se de levar o seu filho aos especialistas, sendo imprescindível o acompanhamento com as fonoaudiólogas. Para este público com sensibilidade, devem usar os AASI com muita cautela, principalmente comecem no volume quase zerado…Fazer trabalhos lúdicos em casa com bonecos utilizando os aparelhos auditivos coloridos, vai estimular a usa-los e se sentir orgulhoso por estar percebendo os sons, isso já está ficando na moda, cada vez mais as pessoas estão exibindo os ASSI mimosos até os mais exóticos…hehe.

Bom, vou dar outras dicas, além da sensibilidade, por experiência própria, para observar quanto a adaptação de próteses auditivas, quando a criança se sentir desconfortável:

– O molde pode estar machucando, verifique toda a cavidade do ouvido e até dentro do canal auditivo, para ver se não há algum vermelhidão, pois em algum lugar do molde pode apresentar uma saliência que não seja do próprio formato do ouvido, provocando mais pressão na pele, isto é muito desconfortável e as vezes até pode provocar sangramento, leve seu filho para uma fonoaudióloga para que ela faça um pequeno polimento no molde;

– Os tipos de materiais mais comuns de moldes são: silicone e de acrílico, desde pequena sempre utilizei o de silicone, pois é mais macio e confortável, e o acrílico é mais durinho, eu acho que o acrílico não seria indicado para crianças, por serem mais agitadas e pode causar um acidente maior, provocando rachaduras ou quebras e provocando também sangramento;

– O tubo de plástico (que conecta o molde à alça do aparelho auditivo), pode estar muito apertada, provocando dores na cartilagem superior da orelha, ou fica grande demais e fica caindo;

– As vezes aquele “furinho” dentro do molde para encaixar este tubo de plástico pode estar um pouco largo, possibilidando o escorregamento do tubo para dentro do ouvido e machucando bastante (este bem perigoso, mais fique de olho!);

– A criança pode não estar acostumada a usar o “objeto estranho” na orelha, trabalhe primeiro com adaptação somente com moldes (se forem coloridos, com adesivos e figurinhas melhor!) sem os AASI ligados;

Moldes

– Quando o volume é alto demais, sendo a frequencia utilizada para perda profunda, apesar de não ter sensibilidade, às vezes a criança pode sentir o seu tímpano vibrar devido a pressão sonora e causa bastante coceira, provocando aquela vontade de usar o cotonete para coçar que não é indicado, isso pode provocar a perfuração do tímbano, então a criança começa a coçar por cima do molde, provocando irritações na pele tanto na cavidade de ouvido como no canal auditivo;

– Verifique se o molde e tubo estão sempre limpos;

– Verifique aquela “rodinha” para regular o volume 1,2,3… Quando eu era pequena, minha mãe colocava um adesivo para manter no mesmo volume, pois a criança passa frequentemente as mãos pelo cabelo, possibilidando a oscilação de volumes. Em AASI mais tecnológicos, converse com a fonoaudióloga para saber como manter a melhor regulagem de volume para o seu filho.

Tudo isso que descrevi acima, a crinaça pequena não sabe como se expressar, e muito menos sabe o que está acontecendo, só percebe que está desconfortável…E a bola de neve vai se acumulando, se não tivermos atenção com tudo!!

O cuidado é maior, então anotem e fiquem atentos!! Cada vez mais eles se deliciarão aos sons! Porque eu amooooo!!! Sou grata por profissionais e minha mãe por terem cuidado tão bem desses meus ouvidinhos!!

Obrigadaaa!!! 😀