IMG_0311

Quando assumimos plenos cuidados de uma criança ou ter um filho já é uma imensa responsabilidade, o trabalho dos pais ou do responsável passa a ser redobrado com muitas horas por dia em função do pequeno, brincando com ele, dando atenção e carinho e por fim educar,  para ser uma pessoa integra e do bem.

Ao receber uma criança com deficiência, seja ela qual for, muitas vezes as coisas parecem virar de cabeça para baixo, outras vezes nem tanto, pensando que uma “pequena” deficiência não requer tantos cuidados, mas na realidade o cuidado sempre deve ser redobrado. Muitas mães não conseguem conciliar o trabalho e os cuidados com o filho com deficiência, e quando percebem que o filho precisa muito de sua atenção, desistem do trabalho e voltam para a profissão de ser mãe por “quase” 24 horas… Mas e o dinheiro? E a sobrevivência? Como fica a situação?

 É muito importante para todas as mães, pais e adultos responsáveis pelas crianças com deficiência correr atrás no que tem direito: O LOAS, um benefício do INSS para todas as crianças e com deficiência que necessita de apoio e tempo de atenção dos pais,  foi criada pela constituição de 1988! Interessante não?

Segue o relato da mãe Jocelia, que tem seu filho Bernardo com deficiência auditiva:

“Quando tive que parar de trabalhar, pois não conseguia mais conciliar meu serviço com a atenção que o Bernardo precisava, me vi desesperada…pois a nossa questão financeira ficou muito critica. Mas ter parado de trabalhar e ter conseguido dar mais atenção ao Bernardo me fez ver que realmente ele necessitava muito mais atenção que eu imaginava.

Eu acabava sendo negligente, mas não de propósito, mas por não enxergar que meu filho estava precisando muito mais de mim. Foi então durante as inúmeras consultas no Hospital de Clínicas de Porto Alegre-RS, que comecei a perguntar para as outras mães como faziam para trabalhar e dar atenção aos seus filhos, e as respostas sempre eram as mesmas, elas também não conseguiam conciliar o trabalho…

Mas eu ainda tinha uma duvida como vocês conseguem sobreviver financeiramente, pois eu sentia na pele a falta do trabalho e as consequências financeiras, foi então que a maioria começou a me dizer que recebiam um tal de LOAS… Então fui atrás… Fui ao INSS da minha cidade, que fui informada que existe LOAS: O benefício assistencial da LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social), cujo nome oficial é Benefício de Prestação Continuada, foi criado pela Constituição de 1988.

Então fui indicada a procurar o CRAS – O Centro de Referência de Assistência Social – no meu município. Levei todos documentos meus e do Bernardo (CPF obrigatório ter do Bernardo), RG, Certidão de nascimento) certidões, comprovantes de residência, minha carteira de trabalho que comprova que não estou trabalhando. Laudo médico que informe a deficiência, e tenha especificado o CID. Lá no CRAS foi preenchido pela “assistente social” alguns formulários que são obrigatórios, e agendado no INSS uma data.

1)      A primeira data de ida ao SUS foi para apresentar toda documentação que estava completa.

2)      A segunda data foi uma entrevista com a assistente social, na qual foram feitas diversas perguntas.

3)      E por último, então a perícia com o médico, que fez a avaliação. Em quinze dias enviaram o comunicado.

Uma dica que dou a todos: Durante todo este processo sempre falei a verdade, nunca forcei situações, descrevi nossa realidade e necessidades. Qualquer dúvida me coloco a disposição!”

Este relato da mãe de Bernardo, conseguiu o seu direito para que possa dar continuidade dos cuidados com o seu filho. Se você que é mãe e/ou pai de seu filho que necessita muito de sua atenção e que você NÃO possui condições financeiras, corram para realizar todas documentações para obter este LOAS!

Entre no site do planalto para mais informações sobre a LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL (LOAS):

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8742compilado.htm

Qualquer dúvida entre em contato!

Boa sorte a todos!