Marina Reitz

No último sábado, que por coincidência caiu no mesmo dia do Fonoaudiólogo (09/12), prestigiei o primeiro recital de canto lírico a convide de minha amiga Marina Reitz que conheci numa escola de música em Porto Alegre, ela estava concluindo a etapa final do seu curso de Bacharelado em canto Lírico, na UFRGS. Então, lá estava eu, sentada e aguardando ansiosamente por ouvir as suas primeiras vocalizações, quando começou….Me pus a chorar e não parava mais, aquilo me emocionou, mergulhei no fundo do mar e “ouvi” muitos seres do outro planeta, as nuances e as cores diferentes que ainda não conseguia identificar, mas as sensações são quase inexplicáveis, como um sol penetrasse em sua pele iluminando cada célula em seu corpo, bastava fechar os olhos e sentir… Lindo demais!

Mais tarde, houve uma pausa entre os cantos, e me tranquilizando entre as emoções, busquei a ouvir barulhos diferentes que ecoavam no auditório:

  •  Identifiquei burburinhos das pessoas falando;
  • Ao meu lado ouvi chegando uma criança de 2 anos de idade batendo os pezinhos no chão;
  • Como eu estava bem a frente, ouvi o pianista folheando as partituras
  • Passei a perceber a sintonia entre as notas agudas, com frequencias mais altas, e a sintonia entre elas, não era mais um som truncado.

 

Quando a cantora voltou do intervalo, tivemos uma surpresa maravilhosa: um colega seu com deficiência visual (professor do bacharelado em música instrumental na UFRGS) tocou violão juntamente com ela, a melodia soou uma mistura gostosa entre os sons do violão e as vocalizações de Marina! Incrível!

 

Tiago Michaletto de Oliveira

 

E no final, parabenizei pelo seu lindo trabalho, o esforço, a dedicação pela música e com certeza foram de anos! Marina, desejo que tenhas muito sucesso em sua caminhada em canto lírico. Desde pequena, eu amo músicas e a ópera sempre me encantou, elas são puras profundas conexões de almas, de energias, de sentimentos, afinal a gente percorre uma viagem entre elas!

PS: Como estou começando uma nova vida com Implante Coclear, alguns sons são insuportáveis e outros são agradáveis, muitas vezes não consigo distinguir entre eles, isso requer bastante treino auditivo! Mas por incrível que pareça, em casa já identifico algumas palavras, sem leitura labial, como uma criança que começa a interpretá-las! Feliz demais com isso!!