Árvore, mãoes e sons

Como todos devem saber que ontem teve um tema na redação do ENEM: “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”. Quando vi, eu não acreditei, pois eu tinha a certeza que a sociedade nunca pensaria em refletir sobre isso, mas nunca mesmo! Isso me surpreendeu, e parabenizo ao ENEM por ter tido essa iniciativa bem diferente, com o propósito diminuir os “espectadores”, ou seja, aqueles que veem as situações somente no lado de fora.

Li várias postagens, opiniões e comentários que ocorreu com muita repercussão nas redes sociais sobre a redação do ENEM de todas as formas. Percebi que muitos surdos oralizados (que falam) não ficaram satisfeitos com essa notícia, pois a proposta da redação não demonstra que os surdos oralizados existem, e eu também faço parte deste mundo, mesmo sabendo a LIBRAS fluentemente. Mas no final das contas, nós sentimos as mesmas coisas: dificuldades, preconceitos, olhares tortos pelas nossas diferenças, as barreiras escolares, na sociedade e no mercado de trabalho.

Outros comentários dizem que o tema foi ultra-específico para os jovens entre 16 a 18 anos de idade que não tem domínio na área, e eu até posso concordar com isso, mas quando eu tinha essa idade, muitos dos meus colegas não sabiam nada sobre o básico da surdez, ao meu ver e o que eu sentia, a surdez era resumida em algo defeituoso, penoso, e não se interagiam com o(a) surdo(a) em sala de aula por medo de lidar com a diferença, por preguiça de ajudar, por vergonha, por imaturidade, se sentiam incomodados e contavam para os seus pais que tinham um(a) colega com surdez que “atrasava” o ensino para toda a turma. E eu não gostaria que isso acontecesse novamente com os jovens surdos de hoje em dia, e não é só com eles, mas também com outras deficiências. A sociedade está cansada da marginalização e a primitividade que ainda persiste em nossos caminhos, estamos no século XXI! Está mais que na hora de acordarmos para maturidade e desenvolvermos novos olhares sobre a deficiência.

Então, alguém tinha que dar esse primeiro passo no tema da redação no ENEM sim, pois assim a sociedade começa a pensar e pesquisar tudo que se refere à inclusão e/ou acessibilidade para uma próxima vez que cair nas questões no exame NACIONAL, porque a inclusão já faz parte na sociedade e TODOS nós existimos e somos também SERES HUMANOS. Lembre-se que os óculos que você usa hoje, se estivesse neste mundo há 50 anos atrás seria chamado de “4 olhos” ou “fundo de garrafa”, e quem fosse ruivo: “foguinho”, e qualquer pequena diferença era algo pejorativo e ninguém chegaria perto de você. Hoje em dia é um charme, até os Plus Size! Eles conseguiram o espaço deles, de alguma forma eles foram lutando para conquistar. E por que nós não?

Se faz urgente ressignificar a existência humana. A sensibilidade em todos aspectos da vida e amor incondicional, são ícones de crescimento para um novo ciclo. Parabenizo o ENEM com a bravura de colocar como tema de redação!

Patrícia R. Witt